A Garganta da Serpente

Agmael Lima

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

MIL ANOS DE SOLIDÃO

Entre a labareda e a brasa
Um ofuscar que arrasa
Num mundo que se perdeu
Os loucos gritam em coro
Ninguém os ouve o choro
Quanta ilusão renasceu.

Ladra um cão pela rua
Uivando ao palor da lua
Das loucas saudades vãs
Semeia sem piedade
O lamentar da saudade
O espectro do amanhã.

Ouve-se aqui levemente
A sinfonia envolvente
Das águias na amplidão
Ruge além incessante
O raivoso grito uivante
Do estrondoso trovão.

Grita o peregrino
Ao som do clarim divino
Risos que ao longe vão
Lamentos tristes lamentos
Olhares soltos ao vento
Mil anos de solidão.

(26/03/2007)


(Agmael Lima)


voltar última atualização: 01/03/2008
11791 visitas desde 15/05/2006

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente