A Garganta da Serpente

Aecio Kauffmann

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Poesia na tarde

(A minha Ceres, quando completamos 58 anos de namoro)

Eu quis buscar, nas rimas do universo
as formas puras do que é bom e belo.
Harmonioso, cândido e singelo,
p´ra te ofertar, no escrínio do meu verso.

Eu quis o amor, a fé e a alegria
compor, quais jóias, em um diadema,
num passe lesto de pura magia,
para ofertar-te neste meu poema.

E mais eu quis sem recordar que à Musa
quão mais se pede tão menos empresta....
E vi meus versos em lenta agonia.

Porém, da tarde, à luz suave, difusa
a natureza, engalanada, em festa,
lembra o teu nome... e faz-se, então poesia.


(Aecio Kauffmann)


voltar última atualização: 14/02/2009
28203 visitas desde 26/12/2007
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente