A Garganta da Serpente

Adriano Menezes

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

CORTINAS

descem cortinas dos cílios
faz chover sobre o ver, vi
vê o empecilho dos braços
pressão solitária unilateral
traz a celebração ao aço.

sobem cortinas dos cílios
faz sol na nossa banheira
sem palavra, goza que
meus braços serão trilhos
tua noção do encontro
anti visão frontal de mim.


(Adriano Menezes)


voltar última atualização: 05/01/2010
13916 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente