A Garganta da Serpente

Adriano Menezes

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

ESTAÇÃO

guardadas na moldura
as pedras aguardam
o tremor, dormentes, as
que sobram pirambeiram

algo negro respinga
entre o ferro e o seu
primitivo natural

por baixo a terra é triste
e de um medo acostumado

a cicatriz sempre renovada
abraça distâncias
tolerando a prótese
para a força prevista, arrasadora

parece o próprio tempo é seu suporte

salvo a plataforma
ainda em espera
o sino sendo ainda
só o silêncio e forma
entre pessoas
tudo é ferro e perda
pedra e pouco

mesmo à iminência
de minha máquina


(Adriano Menezes)


voltar última atualização: 05/01/2010
13914 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente