A Garganta da Serpente

Adriano Menezes

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

SEGUNDO DIA

esses ares beliscados
pelo garfo na louça
riscando o silêncio
me despertam para
os fatos da casa
o estado das paredes
a falta de água no filtro
as provisões para um mês
que não vejo no calendário
uma dor nos ombros
e o fracasso de uma
motivação recente.
esse canto estofado
entre pernas e miopia
vivia sem denúncias
não fosse o metal lambido
indo pousar no prato
ainda com restos
de arroz e ausência


(Adriano Menezes)


voltar última atualização: 05/01/2010
13918 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente