A Garganta da Serpente

A.C. Santiago

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Perto do fim

Como se algo devorasse-me as entranhas
E logo em seguida regurgitasse dentro de mim
Como poderiam meus neurônios articular coisas assim?
Mostrando de forma trágica meu destino

É impossível controlar os sentimentos
Que um dia mataram, ainda matam e continuarão a matar
E sentir seu jovem corpo enferrujado a se despedaçar
E esses olhos rasos d´água que não me deixam esquecer o sofrimento

No que me faria melhor chorar
Se melhor mesmo fosse calar
Esperar e morrer?

E se eu desejasse gritar
Ou até mesmo voar
Para terra de nunca e novamente nascer?


(A.C. Santiago)


voltar última atualização: 17/03/2006
13709 visitas desde 17/03/2006
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente