A Garganta da Serpente

A.C. Santiago

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

O menino morto

Nos braços de uma mãe apática
Jaz a criança morta,
Feto putrefato, figura torta
Caçado pelo universo de forma sarcástica

Dorme nos braços da mãe, infinitamente,
A criança débil facilmente abatida
Jaz lá pobre, podre e sem vida
Sem lagrimas vai-se o pequeno indigente.

Aquela mãe parece chorar, mas não chora
Já que esquecerá em menos de uma hora
Quando voltar a lembrar da fome.

Parece até sentir-se mal
Ao ver o chão de fogo infernal
Coberto por covas sem nome,

Parece sentir, mas não sente.


(A.C. Santiago)


voltar última atualização: 17/03/2006
13726 visitas desde 17/03/2006
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente