A Garganta da Serpente

Abilio Terra Junior

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Filó Filó Filó

Filó Filó Filó
a luz dos olhos teus
se refletia nos meus
tua fronte se esculpia
junto à minha, pequenina

teus dedos nodosos
eram exemplos para os meus
teu sorriso inocente
iluminava minha mente

tua sombra esguia
se erguia frente a minha
tuas vestes de avó
singelas nobres tão belas

o teu leito humilde
onde me assentava tranqüilo
ficava a me esperar

teus grampos imensos
se escondiam no teu coque
onde se enrodilhavam
uma trança sem fim

tuas orelhas de um palmo
emergiam brancas e finas
teu nariz aquilino
apontava para mim

poucos móveis no quarto
lá no teu último lar
subia os degraus da escada
para então te encontrar

do que falávamos e ríamos?
no tempo que se esqueceu
do menino e sua avó
eu e a minha avó Filó

(06/12/2010)


(Abilio Terra Junior)


voltar última atualização: 21/03/2011
43572 visitas desde 01/07/2005
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente