A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

APEGO

Chega a hora tens que ir
a hora que não passava antes de ver te
a hora que se foi tão rápido enquanto estive contigo
a hora que se esvai por minha alma
da dor de te esperar
até chegar a hora em que um dia, voltarás

Chega a hora, tens que ir
encabulado, me despeço
faço um gesto de agrado e disfarço
tento não te prender nos meus braços
não és minha afinal..

quando quiseres, sei que voltas alegre e sorridente
mas sou egoísta e confesso
meu desejo é diferente
em certos momentos queria destroçar teu sorriso
para manter-te mais comigo
mas não é assim que se ama de verdade
tenho que te dar a "tal liberdade"

Vais e vens...és livre enfim
eu é que permaneço prisioneiro
desse meu sentimento servil
de querer te ao meu lado incessantemente
esmagar com tua presença linda
a hora infinda

sufocar te com meu amor por inteiro
ai não seria somente eu o prisioneiro
seríamos nós dois, uma só alma
livres e presos um ao outro
seriam incontáveis os instantes
na liberdade egoísta dos amantes


(Adriana Alves)


voltar última atualização: 05/01/2010
30078 visitas desde 19/12/2007

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente