A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Transformações

Tua imagem alegre
Ao sabor de minhas lágrimas...se transformou
De visão rara e saudosa de se ver... desfocou
Tornou-se sombra manchada...desfigurou

Hoje, não mais me lembro quem és
Porque dentro de mim não mais sinto a amplitude de tua presença
Mesmo assim, sou completa e me conformo
Dentro de meus próprios vazios

Meus dias são feitos
De atividades, pessoas, coisas e fatos
E minha existência caminha calma
A cada passo que dou

Assim é que chegarei a algum lugar,
me arrasto...
Pois a certeza de cada dia vivido
É que prolonga meu caminhar

Teus sorrisos, tuas mãos nas minhas
Tua voz macia, teu toque excitante
Tudo isso ficou guardado, selado
Em compartimentos secretos

Sou feita de sorrisos, meus
Não dependo mais de sentimentos teus
Sou liberta, alada, descarada,
e ao mesmo tempo a menina
aquela...que bate palmas na avenida, quando vê as luzes a passar

Em algum momento, tua lembrança volta
E minha alma liberta se aprisiona às lágrimas
Que tentam o passado desfocar

Mesmo que eu chore...a lembrança sem formas será bela
Mesmo que não voltes...estarás para sempre dentro de mim
Mesmo que eu me cale... serei a voz que sussurra em teu ouvido
E mesmo que tudo se acabe... vale a certeza de ter vivido tanto amor


(Adriana Alves)


voltar última atualização: 05/01/2010
30072 visitas desde 19/12/2007

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente