A Garganta da Serpente

Valéria Nogueira Eik

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

A grande paixão

(Valéria Nogueira Eik)

A estrada era de terra batida e em tempos de seca, nuvens vermelhas de poeira erguiam-se à passagem dos poucos carros.

Eles viviam num sítio pequeno, numa casa de madeira muito simples, numa paz interessante.

No singelo jardim, as rosas caipiras e perfumadas enfeitavam a vida de Dona Maria, que da janela da cozinha, esticava os olhos para apreciar as flores, enquanto fazia pães e biscoitos.

Seu José era um homem de idade avançada e durante toda a sua vida tinha cultivado uma grande paixão, o café, muito conhecido como ouro verde.

E era ouro.

E era paixão.

Mês de julho e o frio era intenso.

Uma grande agonia, o medo de ver seu cafezal sucumbir às geadas, começava a quebrar a paz do velho homem, que inquieto, percorria cada rua de café, como se quisesse acalmar e proteger a plantação.

Na verdade, não era receio de empobrecer, e sim, um terror parecido com o que os homens apaixonados sentem quando percebem que estão perdendo a mulher amada.

E lá ia Seu José, em mangas de camisa, fazendo de conta que não sentia frio, para assim, tentar enganar o clima, ludibriar o destino e afastar o Diabo Negro.

Ao entardecer, ele se debruçava na janela e ficava olhando os sinais do tempo.

Quando a primeira estrela aparecia, mostrando um céu deslumbrante e limpo, ele se recolhia à cama, pois entendia que muitas estrelas nas noites frias eram indícios de mau agouro.

E a cada amanhecer, um suspiro de alívio quando percebia que o café estava vivo e verde, como só um pé de café sabe ser.

Dia após dia, noite após noite, ele fazia os mesmos gestos e as mesmas perguntas, ao tempo e à esposa:

- Hoje está mais quente, não está?

E Dona Maria concordava, baixando os olhos para não encarar o medo do marido.

Sentia medo também, porque não podia imaginar a vida sem José, sem a casa simples, as roseiras, a cozinha e a paz que tudo isso proporcionava a eles.

Sabia ser inútil, mas, mesmo assim, pedia a ele que colocasse um casaco, ao que ele respondia:

- Mas, mulher, você mesma acabou de dizer que hoje está mais quente. Não há necessidade de agasalho.

E lá ia Seu José percorrer seu cafezal, enquanto Dona Maria voltava para perto do fogão, que era o único lugar quente do mês de julho.

De noite, depois que Seu José adormecia, tiritando de frio, a esposa colocava cobertores sobre ele e neste momento, ela pedia a Deus para que seu marido fosse capaz de suportar a perda do ouro verde, que era um fato quase consumado.

Ela escutara no rádio que as geadas seriam terríveis.

Dormiu abraçada ao esposo, na tentativa de passar-lhe coragem e calor, mesmo sabendo que ele sonhava sempre com o café e jamais com ela.

Quando os primeiros raios de sol entraram sorrateiros pelas frestas da janela, Dona Maria percebeu que Seu José já havia saído e algo dentro dela gritou para que corresse em direção ao cafezal.

Vestiu-se rapidamente e ao abrir a porta, percebeu a tragédia em toda a sua extensão.

Tudo estava coberto por uma camada fina de gelo.

Correu o mais que a sua velhice lhe permitiu e com a respiração entrecortada pela idade e pelo frio, alcançou o ouro verde, o marido caído no chão lamacento, a morte e a dor.

Seu José estava deitado sob um pé de café e pela primeira vez, por livre vontade, cobrira a si mesmo e a pequena árvore com uma grossa manta de lã.

Morreu no colo da sua grande paixão.

  • 2143 visitas desde 15/09/2006
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br