A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Uivando secretamente para lua

(Teresa Dávila Malta)

Quando os segundos se transformaram em horas já sentia aquele beijo, aquela boca que tanto me atraía. Como era leve, macia delicada...conseguia sentir o momento exato, o ápice, o doce e o amargo sabor, que se misturava loucamente em nossas bocas.

Entrei num abismo de emoção: borbulhava dentro de mim um desejo incalculável, um desejo sinistro e ao mesmo tempo empolgante. As emoções tornaram-se naquele exato momento uma via-láctea, um céu imenso e profundo, onde as estrelas dançavam para seduzir os belos planetas.

E aos poucos o calor invadia meu corpo, e eu sabia que o seu corpo me queria, sua mente curiosa e inocente tentava desvendar os meus segredos mais íntimos, e quando dei por mim senti com ferocidade sua mão segurar minha cintura, demonstrando que o seu desejo transpirava em seu corpo.

Mas as horas invertem-se em segundos, a magia pelo encanto tinha acabado, ficamos como estrelas a vagar ao céu, mas sabíamos que aquele beijo uivava secretamente para a lua, onde ninguém ousa escutar os cantos dos lobos; na linda noite de lua cheia, a qual testemunhou nosso crime.

  • 2511 visitas desde 2/07/2005
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br