A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Branco&Preto

(Odete Ronchi Baltazar)

Já tivera dias de primavera em pleno inverno . E eram todos claros e azuis, límpidos e transparentes.

Dava bom dia, ao sol que ainda nem se mostrava. Dava boa noite à Vesper luzente no ocaso colorido. Em cores, vivia sua vida, eterno cinemascope.

Não precisava pedir nada. Tinha sempre tudo à mão: chuva, ventos, calmaria, brisa, trovão. Se quisesse um pouco de paz, tinha gorjeio de pássaros. Se quisesse sossego, tinha intimidade entre as folhagens.

Desejando dançar, tinha o lago e as cachoeiras com músicas. Era livre para andar nu, rasgado, descabelado, remelento, limpo até a alma.

Podia gritar, cantarolar e ninguém reclamava. Sussurrava, chorava e ria... fazia o que bem quisesse, rezava, até!

Comia na hora que desse fome, dormia quando o sono chegava. Acordava com o romper do dia. Era livre para ver o que quisesse, na hora que bem entendesse. Cuidava de seu quintal, ia à mercearia do povoado. Tomava banho de cachoeira pelado, os pelinhos todos se arrepiando, o frio insinuando-se no corpo inteiro. Trabalhava e sonhava na rede esticada na varanda. Bastava-se. Completa e infinitamente solidão. Plena e benfazeja distância.

Não fosse a finitude da vida, jurava que estava no Paraíso.

Mas fazia uns dias que começara a questionar sobre os dias e as noites e a inquietude começara a se instalar. Já não dava bom dia ao sol ou boa noite aos pirilampos. Tudo lhe parecia um encompridamento só. Não descansava mais e o corpo doía inteiro.

As perguntas ficavam no ar irrespirável. Não achava respostas em suas leituras, em seus banhos, em sua rede.

A que viera, para onde iria, quando sairia de cena.

O medo morava fundo. Não dormia, não acordava. Só doía. Doía inteiro por todo o sempre.

Não mensurou tempo porque dor não tem marcação. É longa demais o tempo todo. Mas ficou assim doendo uma infinitude até decidir partir.

Anda, agora, pelas esquinas, sem identidade, que no inferno não se tem nome. Solitário tempo integral, não vê a hora de alçar voo. Dói inteiro. Viver para quê?

  • 2470 visitas desde 2/07/2005
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br