A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

US$ 20 mil

(Olga de Moura e Mello)

Faltam R$ 60 mil em minha vida ou uns vinte mil dólares, mais ou menos. Eu não sei mais a cotação do dólar, sei apenas que em meu nome, realmente, só tenho contas. O carro ficou em nome de meu pai, que já morreu e então é carro de um fantasma, o que leva a uma situação irreversível: não posso vender o veículo, pois não abri inventário só por causa do carro. O apartamento está em nome de uma mulher que desconheço, a primeira proprietária do imóvel, que o vendeu à maluca que me vendeu. Sem registrar nada em cartório, só com papéis sem grande valor legal e muita boa vontade.

Meus filhos têm o nome do pai. O meu entrou no meio. Eles também têm a cara do pai.

Então, em meu nome estão as contas. E as dívidas. Só.

Em meu nome estão as responsabilidades também, mas não dou conta delas. Nem das contas.

Já tentei mudar e pintar o cabelo de vermelho. Fiquei parecendo o Bozo, o Ronald McDonald. Depois da burrada que fiz sozinha, em frente ao espelhinho do banheiro, corri a um cabeleireiro e tingiram meu cabelo de castanho avermelhado. Paguei com cheque sem fundos. Quer dizer, ficou sem fundos porque ele custou TAAAAAnto a ser depositado que, quando entrou na conta, já estava sem dinheiro. Foi um inferno, reapresentaram e ainda não tinha fundos, meu nome foi pro Banco Central pela quarta ou quinta vez. E aí, resgatei o cheque, paguei em dinheiro, fui ao Banco, escrevi uma cartinha de próprio punho ao Banco Central, fiquei amiga do gerente e comecei a tirar um monte de empréstimos.

Num mês eu pago diversas contas e deixo várias sem pagar. Tem umas que não posso atrasar nunca. Condomínio, jamais, ou me tomam o apartamento. Se tomarem, vai ser muito engraçado, porque está tudo no nome da outra mulher, acho que já morreu também, quem vai ficar com ele? A mulher não tinha herdeiros.

Mas eu sei quem quer minha casa. O síndico. Ele tem o maior olho, maior olho grande mesmo, no meu apartamento. Sempre dá um jeitinho de entrar lá em casa. E as pimenteiras da sala secam depois das visitas dele. Ele quer ver se eu fiz reforma, como está a reforma, como estão as paredes.

O apartamento está na mesma situação irreversível do carro. Não posso mexer em nada porque não tenho como regularizar a situação legal dele.

Antigamente, eu não era assim. Se atrasava o pagamento de uma conta, porque havia esquecido de ir ao banco, corria lá e, enquanto estava pagando, dizia ao caixa, como quem não quer nada: "A gente viaja e deixa as contas pra empregada pagar, mas essa gente... ". Os caixas nunca falavam nada, às vezes me olhavam de soslaio, daquele jeito de quem sabe que está ouvindo uma mentira, uma desculpa esfarrapada.

E o carro, então? Tudo pago direitinho, multas, impostos, nada atrasado. Jamais subornei guarda, jamais. Até hoje, isso continua assim, não me vi em situação de subornar guarda. Na verdade, me vi, sim. Fui parada numa blitz, não tinha documentos atualizados. O guarda ia levar meu carro. Chorei, mas aceitei o destino. Era o fim da minha longa convivência com o carro. Não foi. O guarda se comoveu com minhas lágrimas discretas. Disse que a blitz tinha um sentido não apenas repressivo, mas educativo. Falou para eu regularizar a documentação do carro. Meus filhos já estavam tirando a cadeira de praia da mala do carro. Guardamos tudo, fechamos a mala, continuei chorando e saímos dali. Nunca arrumei a documentação do carro.

Chorei porque fiquei emocionada, sim, mas também porque sabia que homem não resiste a lágrimas. Sempre dá certo. Agora eu torço pra não pegar nenhuma blitz. De noite, eles não param a gente, porque veem que é mulher e mulher fica histérica em blitz. Mas de dia, eles querem extorquir e eu não vou dar dinheiro pra vagabundo ladrão, não.

Mas com vinte mil dólares na minha conta eu pagava os impostos atrasados, o condomínio atrasado, quitava os empréstimos e ainda botava o apartamento no meu nome.

Ou então, pintava o cabelo de preto azulado, ia para Roma sem filhos, sem responsabilidades, sem o síndico, sem as contas. Igual ao Cacciola.

  • 2546 visitas desde 1/07/2005
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br