A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Virgínia

(Marluce Portugaels)

O lago Miranda era grande como um rio. Suas águas, alimentadas pelo rio Envira, eram profundas e escuras, e encerravam muitos mistérios que Virgínia sabia indecifráveis. Um deles era o da Mãe d'Água, a senhora das águas, que habitava o leito profundo do lago, para onde arrebatava, sem distinção, homens velhos e jovens, e, às vezes, até mulheres e crianças, cujos fantasmas passavam a povoar o lago para sempre. Virgínia temia o lago. Ela se banhava nele, enquanto lavava a roupa da família, sozinha ou acompanhada de sua mãe e das duas irmãs, Maninha e Hilária, no jirau construído por seu pai e pelo irmão, Vítor. Mas, não ousava cair n'água para nadar. Temia entremear-se nos longos cabelos da Mãe d'Água, e ser arrastada para os recônditos desconhecidos de sua morada.

Mas, Virgínia, fascinada, olhava o lago e perdia-se em pensamentos. Ela sabia que a Iara, como era chamada a Mãe d'Água pelos nativos, não era somente arrebatadora de homens. Ela era uma deusa, possuidora de poderes que os simples mortais não poderiam nem mesmo imaginar. Somente ela, a Mãe d'Água, talvez pudesse tornar seus sonhos realidade. E ela sonhava de olhos abertos, com seu príncipe encantado, aquele que viria, um dia, buscá-la para levá-la para um lugar distante, longe da casa paterna. Um lugar onde ela pudesse ser feliz, junto com seu eleito, um lugar distante daquelas matas cerradas e tenebrosas, longe do fascínio do lago e do encantamento da Mãe d'Água. Ela fixava o meio do lago, lá onde havia o redemoinho tão temido pelos pescadores, nos dias de tempestade, lá onde se acreditava fosse a entrada da habitação da Mãe d'Água.

Incontáveis vezes, sua mãe a despertava de seus devaneios, trazendo-a de volta à realidade.

- Avia, Virgínia, em que tu estás pensando, menina! Já é quase meio-dia, é quase hora de dar comida aos homens. Se tu continuas assim, perdida, olhando o lago, nós não acabamos de lavar essa roupa hoje.

- Já estou acabando, minha mãe.

E Virgínia, temerosa de ficar sozinha, tão perto do fascínio da Mãe d'Água, apressava-se para terminar sua parte da tarefa e subir o barranco que levava à barraca, com sua mãe e suas irmãs.

Um dia, porém, Virgínia deixou-se ficar à beira do lago, sozinha, decidida a enfrentar a Mãe d'Água, caso ela lhe aparecesse. O sol de meio-dia brilhava a pino, não deixando escapar o menor contorno de sombra, como acontece na região equatorial, naquela hora do dia. Virgínia, embalada por seus pensamentos, fixava o meio do lago, cujas águas começaram a rodopiar, no início, levemente, acelerando-se, aos poucos, até formar um enorme redemoinho que se foi levantando, lentamente, até atingir uns quatro a cinco metros, acima do nível das águas do lago. Deitada no topo dessa coluna aquática, havia uma mulher de pele branca como a espuma das águas, e de cabelos dourados como os raios do sol. Ela era bela como uma princesa dos contos de fadas. Uma coisa, porém, a distinguia das demais princesas, e isso era a cauda longa, resplandecente, recoberta de escamas prateadas que se prolongava de seu corpo de mulher. Virgínia, perplexa, compreendeu que estava diante da lendária Mãe d'Água que, sorrindo, dirigiu-lhe a palavra.

- Virgínia, não temas a minha presença, pois estou respondendo aos anseios de teu coração. Conheço tuas aspirações, teus desejos, e posso ajudar-te a concretizá-los. Mas, ouve-me bem!

Virgínia, atônita, não podendo acreditar no que via, esfregou os olhos, abrindo-os mais ainda, mas, constatando que a Iara continuava acima da superfície do lago, e certa de que se tratava de um encantamento, resolveu submeter-se e escutar o que a bela dama tinha a dizer-lhe. E a Iara continuou.

- Nas festas de São João tu hás de encontrar o teu bem-amado, que será bom e generoso, e belo como o deus das águas. Muitas outras moças invejar-te-ão a sorte. Somente, aproveita bem, pois tu só ficarás com ele cinco festas de São João. Depois disso, eu virei resgatá-lo e ele irá para o meu reino encantado, no fundo do lago, para sempre. Aproveita bem e sê feliz junto com ele, pois essa felicidade só durará cinco festas de São João.

Dizendo isso, a Mãe d'Água fez um grande gesto de adeus com sua cauda, espalhando gotas d'água até bem distante, que, por alguns segundos, repousaram como pedaços de diamante, lapidados, arredondados, brilhantes, desmanchando-se, em seguida. Virgínia deixou-se ficar, ela não sabe quanto tempo, no jirau, perplexa, como que tomada de um torpor, olhando o meio do lago, agora calmo como um espelho, como se nada tivesse acontecido. Sentindo-se desfalecer, ela perdeu a noção da realidade.

Aos poucos, recobrando o seu estado normal, ela percebeu, ao redor dela, as vozes familiares de sua mãe, de seu pai, de seu irmão e de suas irmãs, todos tentando fazê-la voltar a si, através de sacudidelas e de pequenas bofetadas na face. Para surpresa geral, ela, de olhos bem abertos, levantou-se e subiu o barranco de volta à barraca, seguida de todos os outros, como numa procissão desordenada, todos querendo saber o que lhe acontecera. Ela lhes contou, como pode, a visão que tivera, deixando o grupo familiar boquiaberto. Somente a mãe guardou silêncio, e, olhando sua filha com um misto de ternura e piedade, deu-lhe de comer, dizendo-lhe que esquecesse aquela história.

Alguns meses depois, para a festa de São João, na sede do seringal, Virgínia teve direito aos três vestidos de praxe para trocar entre as partes de dança comandada pela harmônica de Seu Januário, o tocador e animador de festas por excelência, naquelas paragens. A viagem até à sede do seringal era longa, algumas horas de canoa, remada pelos braços fortes dos dois homens e das duas mulheres, a mãe e a jovem Virgínia, que não se esquecera da visão que tivera da Mãe d'Água, naquela hora de meio-dia, à beira do lago Miranda.

A chegada ao local da festa fora muito bem recepcionada por aqueles que os precederam, já havendo muitas canoas amarradas no porto do seringal São Francisco do Bom Jardim. O porto e os trapiches estavam enfeitados de bandeirinhas de papel crepon, coloridas e, no terreiro, em frente ao barracão de seu Chico, uma enorme fogueira estava pronta para ser queimada. Várias mesinhas com tamboretes haviam sido colocadas em círculo, no meio do qual seu Januário, do alto de um estrado, esquentava sua velha harmônica para, depois da novena tirada por dona Lita, na capelinha do vilarejo, dar-se-ia início aos comes e bebes e ao forró, como acontecia todos os anos.

Aquela era a ocasião em que os namoros começavam entre os jovens fregueses de São Francisco do Bom Jardim, uma vez que o ambiente era oficializado pela presença, não somente dos mais velhos, como também pela figuras de seu Chico e de dona Lita, patrões estimados de todos os fregueses do seringal. Com a filha mais velha, Maninha, casada, e com a fuga da segunda, Hilária, para se casar com um forasteiro, contra o gosto da família, seu Alcântara preocupava-se com a filha mais moça, a jovem Virgínia, não a perdendo de vista, e não lhe dando muita chance de envolver-se em namoricos inconsequentes. Com moça direita não se brinca, e filha minha não é brinquedo de malandro, era esse o pensamento de seu Alcântara.

Ele sabia que já era tempo de arranjar um noivo para a filha mais nova, pois moça solteira, sem marido, não era boa coisa também não. Ele já começara a conversar com os pais de determinados jovens de boa reputação e bastante sérios para começar uma família. Ele sentia que deveria apressar-se, para que não se repetisse o episódio da Hilária, que o deixara morto de vergonha diante do pai do rapaz a quem ela estava prometida. Apesar de Virgínia ser uma moça bem mais comportada do que a irmã, seu Alcântara sabia, por experiência, que com essas coisas não se deveria brincar. Casamento e tripa só prestam quente, pensava ele.

A dança havia apenas começado, quando Virgínia percebeu, entre outros jovens, pela maneira como seus olhares de encontraram, aquele que seria o seu bem amado. Ela não se surpreendeu, portanto, quando ele veio tirá-la para dançar, aos primeiros acordes da harmônica de seu Januário. Deixando-se levar pelos braços daquele rapaz bonito, gentil e de olhos azuis como o céu, a festa para Virgínia passou como um relâmpago, de tão rápido que foi.

Seu Alcântara, não tendo perdido de vista sua filha, notara o par constante que ela formara durante toda a noite com o jovem desconhecido. Aproveitando a oportunidade da reunião com os outros fregueses, ele procurou informar-se sobre aquele jovem que, a bem da verdade, era bem apessoado, e tinha um jeito correto de se comportar. Infelizmente, não se soube adiantar muitas informações sobre o jovem Artur, pois era assim que ele se chamava, salvo que era um brabo dos sertões do Ceará, que tivera sido trazido com a nova leva de seringueiros recrutados, recentemente. Era rapaz solteiro, trabalhador, sério, mas muito cobiçado, como, aliás, Virgínia notara durante a dança, pelas moças casadoiras da localidade.

No retorno, de canoa, Virgínia, ainda enlevada com os acordes da harmônica de seu Januário, ao som dos quais ela rodopiara com seu par, lembrava-se da profecia da Iara, sentindo correr pelo corpo uma sensação gostosa de carícia, que terminara, contudo, com uma pequena pontada no coração, ao recordar-se do tempo mencionado pela senhora das águas - cinco festas de São João. Virgínia, todavia, sentindo-se feliz e certa de que era aquele o homem de sua vida, resolveu apagar da memória aquela parte da profecia e concentrar-se na construção do casal que ela certamente iria formar com o jovem, belo e cobiçado Artur.

Conforme tinham marcado, Virgínia e Artur encontraram-se, novamente, na festa de São Pedro, alguns dias depois, na casa do compadre Zeferino, padrinho de Virgínia, e velho amigo da família. Artur apresentou-se a seu Alcântara, que, contando-lhe o b-a-ba, estabeleceu as regras que deveriam reger o namoro que, a partir dessa data passou a ser oficial. Daí ao casamento foi um pulo!

Como era de praxe nos seringais, os jovens candidatos ao matrimônio deveriam esperar pela passagem do vigário de São Felipe, que, de seis em seis meses, vinha em desobriga, unir pelos laços indissolúveis do matrimônio os novos casais e batizar os rebentos surgidos nos intervalos. Assim, os casamentos deveriam ser planejados para realizar-se durante a passagem do padre, dentro de certo lapso de tempo. Virgínia e Artur esperaram, pacientemente, a passagem do vigário, tendo o casamento se realizado de acordo com as tradições locais, na capelinha do vilarejo, sob as bênçãos dos pais da noiva e dos patrões.

Virgínia, sem se esquecer de seus devaneios de menina-moça, de ser levada por seu bem amado para um lugar bem distante daquele em que morara, durante toda sua vida, com seus pais e irmãos, aceitou, contudo a proposta que seu Alcântara lhes fizera de morar numa barraquinha construída por Artur, com a ajuda do sogro e do cunhado, na propriedade da família, até que o jovem seringueiro tivesse condições de estabelecer-se, por si mesmo, em seu próprio pedaço de terra.

Assim, Virgínia e Artur passaram a morar na barraquinha, ao lado da barraca dos pais de Virgínia, na parte norte do lago Miranda, rico em peixe, mas misterioso e profundo. E Artur, que preferia passar as madrugadas ao lado de sua jovem esposa, foi, aos poucos, abandonando o corte e a colheita da seringa, passando a exercitar-se como o pescador da família e do barracão de seu Chico, proprietário e explorador do lago Miranda. Todos os dias de manhã, cedinho, Artur partia em sua canoa, atravessando o lago Miranda de norte a sul, mas concentrando-se, muitas vezes, no centro do lago, reputado como a parte mais piscosa daquele enorme volume d'água.

Um dia, nas proximidades das festas de São João, comemoração máxima da localidade de São Francisco do Bom Jardim, festejada, todos os anos, no barracão de seu Chico, Artur saiu para pescar, como o fazia, todos os dias. Naquele dia, ele deveria voltar mais cedo, para preparar-se para a romaria até o barracão de seu Chico, com toda a família de sua mulher, como era de costume fazerem todos os anos. Virgínia, como de hábito, ficara na janela, olhando partir seu marido, que se distanciava em sua canoa, para cruzar o centro do lago, quando, então, ela o perdia de vista.

Naquele dia, porém, o lago estava agressivo, suas águas revoltas, parecendo até dia de tempestade, apesar do céu azul e do dia ensolarado. Quando Artur atingiu o centro do lago, uma imensa coluna d'água levantou-se, tendo ao centro uma mulher deitada, de pele branca como a espuma das águas e de cabelos dourados como os raios do sol. Ela possuía uma cauda com escamas prateadas, enorme como a cauda de uma sereia, com a qual arrebatou o piloto da canoa, levando-o para dentro do redemoinho que, subitamente, se formara, ficando a canoa a rodopiar.

Virgínia, ao ter aquela visão, e lembrando-se dos prognósticos da Iara, feitos há cinco festas de São João, caiu no chão, desmaiada. Algum tempo depois, voltando a si, ela reconheceu as vozes aflitas de seus familiares, todos preocupados com seu passamento. Havia, também, um clamor geral de lamento pelo desaparecimento do jovem Artur, perdido para sempre, no emaranhado dos longos cabelos da Iara, a rainha das águas, e por ela arrebatado para sua morada profunda, naquele fatídico dia de São João, cinco festas após a profecia.

  • 2027 visitas desde 13/07/2009
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br