A Garganta da Serpente
>Marco Minafra
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

O amor é chique...mas prá que serve ?

(Marco Minafra)

Linda, doce e cara Srta. Édith Giovanna Gassion . Tenho ouvido com muita frequência e atenção suas canções. São realmente lindas, apaixonantes e demonstram com uma precisão cirúrgica todo meu sofrimento, toda a minha vergonha secreta de não conseguir conquistar um amor.

Um grande amor é o que eu queria. Na verdade, escrevo-lhe para agradecer por expor as minhas dores ao mundo, pois não tenho coragem, tampouco possuo esse seu talento, para materializar de forma tão sublime a arte de cantar a dor do amor. Sua música é como se fosse uma pintura impressionista. Soube que fostes chamada de "petite môme" ... que ironia, para uma voz tão forte e tão rasgante.....

Claro, que fico muito feliz em receber sua resposta... jamais imaginei que a Srta. pudesse notar a existência desse fã apaixonado por sua arte.
Quanto à sua curiosidade... bem, eu fui uma criança esperta e inteligente, pois tudo o que fazia, as pessoas achavam chique. Achavam chique o jeito que eu cantava, como tocava violão e como me saía bem na escola e nos esportes ("malgrée toute l´histoire du pied gauche" ) e a forma de eu conversar com papai em italiano, com as vogais assim bem abertas.
Quem sabe Mère Annetta , conversava contigo em italiano?
Mas essa criança, o que na verdade ela achava chique, era ter um amor. Um amor que se transformasse a cada instante. Que, a cada instante que pensasse e sonhasse com seu amor, ele torna-se-ia maior.... assim como lá longe, onde o céu e o mar se encontravam, lá longe onde as estrelas se tornavam um pontinho de luz.....

Isso sim é que seria ser chique !
Se eu pudesse encontrá-lo, viveria a ventura daquilo que ouvia dos colegas... seus beijos nas lindas garotas que povoavam meus sonhos, dos amores entre uns e outros, das conquistas, das surpresas de saber-se preterido quando julgava-se escolhido, da não-coragem de não ter o que contar.
"Pardalzinho", me desesperava a cada história ouvida e que imaginara pudesse ser eu o protagonista, e a cada choque de saber das conquistas que não fiz, dos beijos que não tive e dos carinhos probidos que não conhecera.....das viagens que não participei, dos lugares que eu ouvia contar, com uma grande ponta de inveja no peito... me imaginava com seu talento para cantar toda essa dor resfolegante no peito.... ai quem me dera ter seu talento...
Diziam-me que fulano era lindo e rico....mas que não tinha conteúdo. Eu ria-me e dizia-me que preferiria seu vazio existencial a ser assim inteligente e atormentado.... e desprezado.
E as lembranças das praias que nunca fui ? E as fotos coloridas (que mistério!) dos coqueiros, das pernas desnudas, dos seios semiexpostos, das provocações que elas acordam.... como será observar um coqueiro, um banho de mar com a pessoa amada ? Huuumm, que chique seria guardar essas lembranças como afetos ressuscitados....??? Hhuum que chique, que gosto maduro de sol e sal, nos lábios que nunca beijei numa praia.....

Ah....Mas isso é que seria chique. O agradecer murmurado após um beijo inocentemente cravado nos lábios de seu amor, o poder agradecer a ventura de conhecer o toque nos cabelos, as promessas de puxar as estrelas do céu e construir um tapete macio para que seu amor pisasse.. Obrigado pelos conselhos "du pauvre Jean" e pelo hino que me ensinastes... Deixe-me dizer te que já conheço esse sentimentos, de forma bastante especial.
Teve o primeiro, a Annamaria. Assim mesmo, uma palavra só. Linda, com seus cabelos ruivos esvoaçantes, ruidosa ao gritar a meu pai "buon giorno!" , quando passávamos em frente à sua casa. Minha primeira paixão, que beijei tantas vezes nas noites esteladas, nos carinhos trocados em segredo, nas cartas que eu recebera.
Mas as cartas, eu as sabia de cor... eu mesmo as escrevera para mim, com milhões de beijos no fim, com promessas de amor eterno. Os beijos, minha imaginação me deram, os carinhos foram sonhos sonhados na solidão.
E se ela soubesse o quanto de amor inocente havia aqui na parede de meu coração, não desviaria, tão ostensivamente, o olhar de mim, não insistiria, em voz alta e estridente, quando eu estava por perto, em dizer que achava lindo homens de cabelos loiros, que odiava esportes e música...
E houve outras, a Rita, a Raquel, a Heloísa, a Selma,... ad infinitum, todas inatingíveis, inalcançáveis... intocáveis.....

Nem você, Pardalzinho, pode imaginar que, ouvi hoje, repetidas vezes seu hino e os seus conselhos.... Como será a ventura de sentir esse frêmito do corpo da pessoa amada sob minhas mãos, quando o amor inunda as minhas manhãs? Será Édith que, de verdade, em outra vida o amor permanece assim tão imutável ? Édith, você poderia cantar para mim, o sentimento de impotência de não ter tido a chance de fazer parte do passado de todas, ou nenhuma delas ? De não ter sido o artista principal de qualquer acontecimento marcante de suas vidas ?
Saber que um dia o futuro virá, e não não serei nada para elas, nem uma mancha de nanquim num pedaço de vestido, nem a sombra de um vestígio de saudades no peito de cada uma delas.
Elas se lembrarão dos Josés, Antonios, Carlos, Paulos, Luizes... e de mim que nem cheguei a tocar a alma de nenhuma delas....?
Não serei nenhuma lembrança no fundo de uma gaveta, num traço distraído numa folha de um caderno escolar ou numa régua ou numa capa de disco ou numa dobra de um porta lápis... ahhhh como eu queria conhecer essa sensação de fazer parte do passado de alguém...como ser uma saudade tocada num rádio ?

A eternidade será mesmo daqueles que se amam? Gostaria que alguém, num futuro distante, relesse em suas dobras de memórias, e se perguntasse de mim, e da lembrança de que um dia fui, e a lembrança doesse até matar... e que ela relesse meu nome com aperto no coração.... Eu, Édith, acho que nunca, nunca isso acontecerá. Mas sei que em breve você vai cantar uma canção que fale assim, mesmo que eu nunca te peça... e já nos prometemos nunca nos pedirmos nada um ao outro... porque senão, você teria que atender as dores do mundo todo, como se não bastassem as nossas....
Édith, você me revela que o espelho é seu inimigo.....sinto o mesmo! Ahhh esse inimigo o espelho... Por quê ele não mostrava àquelas por quem eu me interessei, toda a minha beleza interior ?
Por quê ele não refletia meu lirismo, a forma de decorar as poesias que julgava fossem interessá-las, as músicas que cantava para mim mesmo, e que falavam de um amor incessantemente grande, ardoroso, único, eterno e imutável? Por quê, ele insistia numa imagem que eu me colocava como estranha... mas eu não sou só isso... por quê a insistência de não revelar o meu oculto ?
Eu procurava encontrar uma brecha no vidro, para essa bela imagem pudesse fluir e alguma mulher a encontrar....mas não.... o espelho sorria para mim.....e a imagem platônica não surgia. Mas o inimigo acabou tornando-se amigo... a cada desilusão juvenil, a cada tropeço na busca do amor, a imagem se tornava mais amiga... mais reconhecidamente amiga...e mais exigente com seu refletido. Mas a dor de reconhecer que a reflexão daquela imagem pudesse ser mais bela era forte.

Uma boa conversa com o mais íntimo dos amigos pode não ser tão boa quanto a conversa com o espelho. Aquele feri-te ao ocultar-te algumas coisas mais profundas, pois existe o medo do ferir, que é maior que o de ajudar. Ahh... o espelho não… ele é transparente e te aponta tudo: defeitos, erros, mentiras, fracassos...

Te agradeço de coração a sua nova canção que ouvi ontem.... Agradeço de coração..... Obrigado por ela. Chorei muito ! Essa música Édith, tornou-se minha amiga íntima no encantamento do amor impossível e doído, e me respondia, que o amor faz chorar, faz sofrer, é uma triste maravilha. Que quando se o perde, chora-se, sofre-se e fica-se numa imensa dor....definitivamente, amor rima com dor.

E te devolvo a pergunta.... Prá que serve o amor ? Mas isso sim, seria ser chique... ai meu Deus... provocar em alguém a sorte de ser lembrado, ser capaz de fazer alguém lembrar-se de mim, numa noite de inverno.. Seria mesmo, muito chique, ser desejado, ser cobiçado, ser necessário, ser amado...isso sim.... a glória !
A criança ainda hoje, continua pensando o mesmo.... que o amor é mesmo chique... mesmo que ainda não tenha como provar toda essa "finesse déchirante" .... ah! Édith minha amiga...me ensine....

Agora, como fazer para provar essa dádiva, esse mel eterno, essa vontade delirante de ser objeto de amor ? Como faço para ter uma história para contar ? Onde devo ir, a quem buscar para conhecer a decepção da perda do amor conquistado ? E a ventura de poder cantar com a nossa amiga Ella , feia, sofrida, talentosa..... que você é tudo e todas as coisas que possuis são minhas....você é um anjo que ilumina as estrelas... numa sufocante inquietude de uma tarde, tudo seu é meu.... Isso sim...seria chique...!!

Mas não, o secreto silêncio de mim mesmo não me permitiu que o amor nunca chegasse....mas não importa. A busca do amor é, no fundo, chique, pois você Edith, me ensina que devo esperar pelas suas palavras proféticas..
"Era você quem eu queria
Era de você que eu precisava
Eu te amarei pra sempre
E a isso que serve o amor."


Olhe minha querida amiga.
Me encantei com teu recado. Você cantou isso para mim... um dia quem sabe eu consiga cantá-la para alguém ? Será que consigo um dia ? Para dizer que tudo que passei foi necessário para dar o valor ao amor em toda sua plenitude..... que ele se supera em todas as limitações que se autoimpõe... que aprendi a perdoar, a viver o rotineiro dos dias. Os Bee Gees .... que pena que você não os tenha conhecido! Com eles enfim, aprendi a esperar o meu amor e a construir a espera de alguém já que é impossível remendar um coração por mais que esteja quebrado... Édith...Eu tenho tanto amor a dar ! Leve essa minha carta a alguém que você conheça e que queira receber o maior amor do mundo !

  • 2594 visitas desde 13/04/2008
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br