A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Magia Marítima

(Leonardo Teixeira)

Meus anos são mágicos experientes, revelam os criativos pensamentos, que nascem onde eu não imagino. Em alguns momentos, entro em parestesia, recordo algum fato - remorso pojado -, a boca se abre, escancarada. O ranger dos dentes cessa para que as palavras palrem num paleio aleatório. As sobrancelhas são peões de rodeio que saltam, freneticamente, no cavalgar perfeito dos pêlos, durante o tique-nervoso. Nessas horas, preciso de um tiçoeiro para avivar o lume do coração. Horas em que poetizo uns epigramas rebuscados. Satirizo o próprio sarcasmo, às avessas.

Todo mágico que se preza não revela o segredo de seus artefatos, esconde o truque no cofre da memória, e embeleza as pequenas coisas, demonstrando a ampla capacidade de o impossível acontecer, esperançosamente. A bela arte é divertimento que emprega a enganação da mentira. Assim como eu, nesses anos de momentos mágicos, demonstro só um pedaço resumido da minha história inteira. Sou apenas o verso do reverso. Um tanto quanto lado contrário. Posso tornar uma água límpida em turva, ríspida, ou, para demonstrar minha capacidade mágica, transformar em áspero lamaçal. Declamo fatos anônimos, uso o epíteto inventado. Modifico o meu lado torpe em um vitorioso tímido, discreto. O lado mais algoz, em modesto herói do próprio lirismo encantado. Reviro a tibieza do meu corpo, numa coragem elétrica muito bem forçada. Afugento o medo e o desejo, numa falsidade tão fina quanto o fio do truque da levitação. Passo a construir barreiras com uma iniciativa moldada em frustrações. Reservo o direito de tolher meus passos, ao conhecimento de um confuso curioso. No fim do espetáculo, cubro meu exausto corpo, dizendo estar preparado para a próxima guerra, ou para o show seguinte.

No fundo da cartola dos anos, há lembranças não saudosas; dentro do cofre, há o dorso duro de roer! E o alívio que acalma é o cântico dos mares, embalado pelas ondas solares, círculos máximos expandidos em cores roxas, laranjas, um tanto quanto plúmbeas, no fim da tarde, a orla da órbita em cores de arco-íris, na imensa homogeneidade celeste, durante o pôr nitente do rei sol, que energiza e aquece o corpo, pintando a ausência de cor natural nos meus pêlos, deixando-os ruivo-loiros; sem modéstia, vanglorio sete das minhas virtudes, convoco-as para um elenco principal, onde confecciono uma coleção de escritos, só para homenagear a essência do meu bom espírito, no palco da minha vida teatral. Observo a constelação das plêiades fixadas no mural do espaço, durante a doce viagem de apreciação. E suas sete estrelas, minhas sete virtudes, perceptíveis num jogo de sete erros, me fazem lembrar dos difíceis momentos de neblina empoeirada, onde o puro pó perfeito poliu minha pele pálida, partindo meu pé de pato, tão necessário para pular na piscina do pirado e pastoso mar. Que paisagem! Que patriotismo pirata! Que paixão pagã! Página da minha pacata piada, onde o mar se torna um pântano poluído. Que pânico paranóico! Que peia me prende pela peaça, na pequenez dos meus pecados? Tão preso como o boi na carroça de pau? Que presunção psicopata mais pedante! Que perfil pernóstico mais peçonhento! Mas não beberei o veneno gélido da vingança. Viajo alhures como um peregrino, acompanhado pelos meus preciosos livros, lampiões noturnos e pela minha gaita, de sons contraltos, que canta as duas últimas vogais do a-e-i-o-u. Desenvolvo outras canções para espantar o frio, quando cessa a era do meu período ensolarado, da mesma forma do solstício avantajado nos polos do planeta. Em terra firme, eu vendo os peixes pescados, guardo a pecúnia do pedágio, quito as dívidas com o mulherio dos prostíbulos, onde sou muito popular. Pareço um polífago prostituto. Após o ato já consumado, a necessidade imperiosa de urinar limpa meu pudor, como se estivesse preparando para a purificação. O lendário pescador já vai embora.

Vivo numa praia de memórias, com pedras de rancor, conchas de paixão e amor, caranguejos entorpecidos de licor, peixes a morrer de dor, cardumes entupidos de cor, flores alegres e sublimes, que exalam o odor; nos cais de porto, onde costumo sugar, da brisa do ar, o salgado sabor, manifesto a bela teurgia - a magia celeste mais milagrosa - sem pudor, sentindo-me um homem promissor - os cabelos dançando com os ventos -, um selvagem sedutor; olho o céu com louvor, e com ares de superior, adentro o mar no navio da minha vida, onde sou o condutor. Ora bolas, redondas, emboladas: eu sou navegador; desfruto das ondas, suas subidas e descidas, sem o enjoo cansado dos vômitos; flutuo nas trilhas oceânicas, por onde eu passo, para onde vou; domino meu mar de Netuno, Poseidon e Iemanjá; sou o timoneiro que comanda o leme; mando na direção das minhas vontades; carrego, no barco, os meus pensamentos provectos - aqueles antigos, fincados no chão do cofre da memória -, meus velhos passos guardados em caixas no porão, por onde se atravessa o estreito saguão, trancado pela porta do alçapão. Sou meu próprio líder e meu autêntico herói marítimo: proa a quem doer!

O mar é meu lar, minha casa e móvel residência: mar doce mar! Há sempre alguém que vai falar, reclamar, espantar, orgulhar, admirar, invejar e repudiar: cruz credo! Preciso de luz e prego - para fixar, nas paredes de meus pensamentos, os aprendizados com meus curtos desvios. Os pregos e estacas para construir o navio da minha vida, com a dura madeira - a aroeira -, a maçaranduba maciça, o jatobá cheiroso, o pau de pequi, que provoca coceiras nos pescoços, a peroba lustrosa, o pau-brasil avermelhado, o mogno vistoso, o ébano escuro dos morenos, a moldável acácia, a cerejeira dos meus velhos tempos de carpintaria, a fraca e macia tábua de pinho, o ipê útil das flores, com cores de nascer e pôr-do-sol, o álamo pesado, o carvalho escuro, a grossa nogueira, o belo jacarandá e o durável cedro, escolhido por mim e pelo barco. Quero a luz que abre os olhos do tempo mágico, para poder caminhar tranquilo nas ondas do picadeiro, nas profundezas do palhaço-mar, dentro deste circo teatral. Sem apressar o artista temporal, buscando um atalho, durante o caminho da vida. Depois de saciar o meu púbis pudico, fico faminto de cansaço. Deito na rede, entre os mastros, deixo que o mágico cuide dos meus passos. A bússola buzina para a desatenção do meu desleixo. Deixo que os ventos soprem a embarcação, na direção escolhida pelo mágico, na rosa-dos-ventos. Não me incomodo com uma possível tempestade marítima, uma procela terrível e devastadora: o que vem da realidade não me atinge.

Lembro a lenda da lenha do cedro, que formou meu leme, agora livre, sem ninguém a vigiar seu traço, seu tronco, manobrar com um suave trisco, ou um forte tranco, trancar com o trinco o seu movimento, ainda que não esteja truncado. A lenda dizia que o cedro deixa nas águas do oceano, o gosto de um suave amargo, atraindo uma bela sereia, que aparece com os cabelos cor de areia, cantando com uma voz suave que semeia, no rigor das claves, o timbre do tom encantado e místico, desviando da realidade do mundo da cidade, de verdade, onde um singelo pescador às vezes anda, tornando-se um mero flagelo, à mercê das armadilhas marítimas, com os ouvidos indefesos, perante o estrondoso feitiço do cantar musicado das sereias. E os ventos são tenores líricos, carregando, de carona não requerida, o cantar soprano da majestosa canção feminina da mulher-peixe. Dizem que o cedro manipula os devaneios dos navegantes em alto-mar, conduz os tripulantes para travar a batalha de ilusões, imaginando seres nada serenos, extraterrestres, sereias que fazem com que as tábuas da proa tornem-se trampolins: salve-se quem conseguir; abandonar o navio; homem ao mar: acredite se puder!

O mar estava calmo - sossego sólido - solidão silvestre. Ciente de ser, o oceano, um pacífico - quem sabe Atlântico ou Índico - solo de batalhas, de sobrevivência, sendo que o mago mar é a terra mais populosa. Ouço um coro único de uma linda voz. Larguei minhas cordas, desisti das leituras. Minha gaita estridente se envergonhou: demitiu seu sopro e empregou seu silêncio, ouvindo o belo som. Sem pensar, mergulhei nas águas congelantes. Esquentei meus ombros no balanço do meu agito. Liguei o motor dos meus braços e nadei - nadei como nunca havia nadado. Minha condução, que era tudo, se fez nada. Abandonei o cedro das tábuas flutuantes, a bandeira do meu corpo, o mastro alto que garante o equilíbrio, as memórias do porão inundado, o leme que se fez volante; abracei e nadei a vontade que se fez dominante; compus a elegia - em versos de luto e lamentação - toda criada sem aflição, numa tentação entorpecida de lucidez, ou seria uma lucidez entorpecida pela tentação? Nadei, nadei, nadei. Nada como a imensidão do nada! Finalmente havia conseguido pausar minhas braçadas. O som vinha de uma pequena ilha rochosa. Lá estava ela a me olhar. Cheguei ensopado para ver de perto o verde das suas escamas, sentir a cauda macia e úmida de suas barbatanas, nem douradas, nem prateadas. Aplaudi a fantástica performance do solo da sua voz. Nem me lembro de como consegui beijá-la. Mas até agora sinto o sabor dos fluídos refrescantes do pomo de cada lábio carnudo. Lembro que me deitei no colchão do mar, perfurei o zíper dos fundilhos, na cauda da estonteante sereia. Que ondas tórridas! Que sondas sonâmbulas! Que sons mais belos! Que sonata mais bem solfejada! Minha carne limpa se abria para o toque de pele, ou de escama, quem sabe ao certo a sequência?! Senti o tremor dos toques, o temor dos coques - os cabelos dela estavam presos no formato da casa de joão-de-barro. Quem diria? Assim, podia-se ver, em qualquer hora do dia, os seios desnudos, bicudos, delicados, lisos, rosáceos, brandos, ternos, sem a camuflagem das ostras, sem a vergonha do escondido. Curvei-me nas curvas do seu violado corpo de violão, até aquele instante inviolável. E havia um púbis! Espremi carícias e recebi delícias. Percebi o clímax do clitóris. Misturei com cautela o caldo dos nossos genes. Seria um sonho de soçobro - um naufrágio decadente - na viagem inventada dos meus delírios? Não: guardo comigo a rosa vermelha, que ela carregava no lombo macio da orelha. É uma flor que não envelhece, com pétalas que não esmaecem. Mantenho o sabor do seu gosto, carrego as feições do seu rosto, lembro da canção de seu sopro. Desfruto do abuso, em abundância, da minha magia marítima. Não tenho que confessar a ausência do meu celibato. E para não dizer que não falei das dores: o remorso é só um grão de areia no caminho da embarcação da minha vida. O esquecimento de um problema não é esquecido, mas só é lembrado quando não distraído. Afinal, que mal feliz seria? Agora posso contar que sou o mago do mar...

  • 3241 visitas desde 8/07/2005
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br