A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Lenda da Dama da Cruz das Almas

(Luciana do Rocio Mallon)

No século dezenove havia, na cidade de Curitiba, uma moça com transtornos psiquiátricos, chamada Nice. Ela vivia mudando de personalidade, por isto apanhava muito do seu pai, seu Manuel. Um certo dia, este homem obrigou sua filha a casar-se com James, um empresário estrangeiro que tinha recém inaugurado uma fábrica na cidade. Ao saber da notícia Nice teve surtos, mas se acalmou por causa das surras e das ameaças do seu pai. Assim a moça casou-se, engravidou e teve gêmeos. No terceiro dia de vida, destas crianças, a babá saiu para comprar remédios e James foi trabalhar na fábrica. Naquele mesmo instante, Nice teve um surto e enforcou os filhos. Após este ato cruel, a jovem tomou veneno e faleceu logo depois. Todos os corpos foram enterrados no cemitério São Francisco de Paula.

A alma de Nice foi até o céu, mas São Pedro não deixou que ela entrasse por ser uma assassina. Então a moça foi até o Inferno e o diabo disse:

- Não aceito mãe que mata os filhos aqui. Afinal Satanás não gosta de concorrência.

Desta maneira a dama foi até o purgatório onde viu um esqueleto encapuzado, vestindo uma túnica marrom, que falou:

- Eu sei o que você fez e posso até lhe dar uma chance, desde que cumpra as tarefas que eu designar.

A mulher perguntou:

- Quais tarefas são estas?

O esqueleto respondeu:

- Deixo a sua pessoa morar neste purgatório. Mas para isto você precisará voltar ao cemitério, onde seu corpo está sepultado, todos os dias 3 de novembro para recolher as velas e flores que os vivos deixaram nos túmulos e trazer aqui para os entes queridos deles. A cada presente que você trouxer para eles será um ano a menos que eles ficarão aqui no purgatório. Mas não se esqueça: você deverá descer para a Terra através do portal invisível que toda a Cruz das Almas de Cemitério tem e também precisará descer aqui através dela.

Então naquele mesmo ano, ela seguiu as orientações do esqueleto. Na madrugada do dia 2 de novembro para o dia 3 daquele mesmo mês ela recolheu flores, velas e levou estes objetos para os espíritos do purgatório.

Desta maneira quando os zeladores do cemitério chegaram para trabalhar, um deles exclamou:

- O que aconteceu aqui?!

- O povo deixou velas e flores ontem neste cemitério e hoje está tudo limpo?!

No ano seguinte Nice executou as mesmas tarefas. Ela surgiu no portal que fica na Cruz das Almas. Porém, um bêbado que estava no cemitério viu tudo e observou seus gestos silenciosamente. Deste jeito, ele viu a moça recolher objetos dos túmulos e depois desaparecer com tudo, dentro de um saco marrom, na mesma Cruz das Almas. Quando os funcionários da limpeza chegaram, um deles exclamou:

- Está tudo limpo igual ao ano passado!

Desta forma, o bêbado explicou:

- Foi a alma de uma mulher, vestida numa mortalha, que apareceu na cruz das almas e fez este serviço. E tem mais um detalhe: ela pegou velas, flores e desapareceu nesta mesma Cruz das Almas também.

Reza a lenda que este fato curioso aconteceu durante cem anos no Cemitério São Vicente de Paula. Hoje Nice não aparece mais. Pois já cumpriu a sua pena com o astral.

  • 2382 visitas desde 10/11/2010
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br