A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Uma carta sobre a pseudoconspiração

(Luiz Morvan Grafulha Corrêa)

O capataz, em vista dos acontecimentos que tapavam de lama o governo, e cansado de ouvir a bazófia dos sectários da agremiação no poder, que, como o pavão da fábula, faziam vista grossa aos próprios e ridículos pés, lascou:

Sobre a pseudoconspiração:

Tenho ouvido, de miles de bocas, mais, por sinal, do que poderia supor, que o apuro em que está metido o governo se deve, não à sua própria mediocridade em governar ou a sua ligeireza em se apropriar do aerariu publicu e dele dispor para fins não muito saudáveis à nação, mas sim a uma urdida trama preparada cavilosamente pelas oposições.
De tal premissa, comunga um vasto universo compreendido entre pessoas de bem e devidamente esclarecidas, passando por aqueles que, por força das convicções perigosamente obstinadas, se encerram numa clausura sofista e estanque e chegando, finalmente, à grande massa alienada em decorrência das circunstâncias em que vive ou sobrevive, e cuja preocupação única é a de ter o que comer, vestir e onde morar.
Radical e inflexível na minha mocidade, simplista no cogitar de soluções para coisas ordinárias, defendi, confesso, naquele tempo inspirado por Che e Fidel, o paredão, ao qual, nos meus utópicos devaneios, se deveriam encostar os políticos corruptos, os empresários corruptores e, eventualmente, funcionários públicos corruptíveis.
Mas era, aquele, um tempo de sonhos vãos e de imaturo e inútil patriotismo e senso de justiça que cedeu lugar, com o correr dos anos, à consciência de que, ao Judiciário e à Polícia cabiam essas responsabilidades, devidamente amparadas, tais instituições, na legislação.
Sucede que, - e sempre hay um suceder, - dia desses dei com os olhos em um artigo de André Petry, intitulado "É a Cara do Brasil", que fazia, no comentário, uma comparação entre os que podem e os que não podem, que reproduzo a seguir e que voltou a me lançar dúvidas nas ideias. Atentem:


Fato: Maria não sei das quantas, vinte e poucos anos, dois ou três filhos, foi presa em uma farmácia de São Paulo, por furtar um xampu e um condicionador de cabelos, cuja soma, se paga, seria de 24 reais.

Entrementes, Neudo Campos, ex-governador de Roraima, era preso com 300 milhões de reais, desviados da folha salarial do seu estado.

Fato: Maria é analfabeta. Presa, foi atendida pela Assistência Judiciária Gratuita e por uma advogada de nome Sônia Regina, que se insurgiu contra aquela situação.

Fato: Neudo Campos ficou dez dias preso. Maria, um pouco mais, tendo sido negado seu recurso para que aguardasse julgamento em liberdade.

Fato: Jader Barbalho, capo da máfia da Sudan, que afanou 1,7 bilhões de reais foi preso e permaneceu 11 horas atrás das grades. É hoje deputado federal pelo estado do Pará, onde, pelo visto, em se roubando, muito dá.

Fato: Inconformada com a decisão judicial de manter Maria no xilindró, sua defesa apelou à mais alta instância da Justiça de São Paulo e deu novamente com os burros n'água. Nesse intermezzo, Maria foi julgada e sentenciada a um ano de detenção no manicômio penitenciário local.

Entrementes, a polícia estourava a máfia da saúde e botava nos grilhões dezessete larápios que haviam desviado 2,5 milhões de reais. Seu líder maior, Lourenço Peixoto, foi quem tirou férias por conta do estado por mais tempo. Ficou 104 dias na cadeia e logo foi ajuntar-se aos cupinchas, no olho da rua, para gozar da fortuna mal-havida.

Fato: Finalmente, após recurso ao Supremo Tribunal em Brasília, o Ministro Paulo Gallotti, sensibilizado com a injusta pena aplicada à Maria, mandou soltá-la.

Entrementes, no mesmo dia da soltura da infeliz ré, Maurício Marinho, o vilão dos Correios, prestava depoimento na chefatura, por haver recebido, como suborno, 3 mil reais, o equivalente a 125 vidros de xampus e condicionadores de cabelos e na saída, abancou-se para comer um McDonald's Feliz, feliz da vida.

O episódio dos Correios foi o deflagrador de um rastilho de corrupção, devassidão e peita como jamais vistos no país e a Força Pública ainda não enquadrou ninguém e, duvido muito, vá enquadrar um dia.

A prisão de Maria rendeu-lhe 1 ano e 7 dias de cana, onde foi, entre outras coisas, torturada, o que culminou com a perda de visão em seu olho direito.

Os corruptos estão todos soltos e a impunidade funciona, para eles, como um catalisador, fazendo-os florescer em progressão geométrica.

Não há quem me convença de que, com a idade, advenham o bom senso, a prudência ou o tino, ou que, em resultando, sejam bons. Nem que el paredón, com o qual sonhei noutrora, não seria, para as nossas boas causas, uma excelente solução.

Não há quem me convença mesmo.



Era isto.


Tuquinha

Basílio, 14 de julho de 2005.

  • 2420 visitas desde 9/11/2005
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Que tal comprar um livro de Luiz Morvan Grafulha Corrêa?


Barbaridade, tchê!


Tuquinha e os Mitos Rio-Grandenses
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br