A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

A aliança

(Letícia E. Costa)

Às onze da noite. Eu estava bebendo vinho, sozinha, e já se fora quase o litro. A campainha toca, levanto-me pra atender, não estou muito vestida, mas não me importo. Atendo a porta deixando-a apenas entre aberta. Era um menino quase desconhecido, figurante em minha história. Movida por um desejo funesto, o puxo para dentro e roubo-lhe um beijo. "o prazer em conhecê-lo será todo seu". O caminho do portão à porta da casa é longo, tão longo a ponto de parar no meio. "você está muito vestido para o meu gosto".

Impulsiono-me para entrar na casa, o mando esperar fora. Entro sozinha e procuro por uma coisa criativa. Avistei uma canga enorme que só poderia servir pra uma coisa. Coloco no chão do quintal, embaixo da árvore. A intenção era dormir lá fora. Não foi bem o que aconteceu. Diferente de contos eróticos, o chão cimentado tem uma tendência de ralar-lhe os joelhos. Então o mando entrar. Já havia lhe tirado as calças, mas ele as colocou de volta.

"vou ao banheiro, ficarei brava se quando eu voltar você ainda estiver vestido" Era para ser em tom de brincadeira, mas não foi. Na volta o encontro coberto por um edredom, as calças no chão. Nos beijamos, nos tocamos e nos amamos, enquanto o calor nos uniu. Pegamos no sono, juntos e completamente separados. De manhã, o sol batia na janela coberta por uma cortina cor de rosa, que refletia a cor por todo o quarto e, por todo meu corpo nu, que não era só o que se via. Sob meus lençóis também cor de rosa, havia um homem, que na noite anterior eu chamara de menino. Levantei-me e vesti lentamente as roupas íntimas que estavam jogadas no chão. De repente, o vejo abrir os olhos e em seguida fechá-los. Por fim, deu-me um sorriso de canto de boca. Só foi preciso um único momento, pra que toda sua insignificância se tornasse uma mentira. Já não estávamos mais separados. Impulsiono-me para lhe beijar e entregar o jogo. Mas me mantenho estática. Quando seu telefone toca. Era ela, a aliança que nos separava.

  • 546 visitas desde 8/05/2017
  • Publicado em: 08/05/2017
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br