A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Veloz

(Geraldo Ramiere)

Corria. Não possuía qualquer motivo especial para isso, mas mesmo assim, corria. Na calçada do parque num domingo qualquer, sob o sol de uma tarde comum, ultrapassando passantes com a facilidade de um driblador. Correr por pura e simples vontade. Correr apenas por correr. Sentir em seus músculos exaltados o esforço do movimento contínuo e no rosto o vento batendo cortante. O indispensável ritmo ininterrupto dos braços impulsionando a corrida. A respiração mantida em cadência. Pensamentos focalizados num único objetivo. Correr. Correr. Correr. Correr... Nem o lento cair de folhas roubava sua concentração. Na mente apenas um desejo: se superar, desafiar o corpo até seus limites, senti-lo em toda sua plenitude, saber o quanto poderia aguentar. Duelava consigo mesmo. Um combate silencioso, mas que não deixava de ser combate. E mesmo que tentasse explicar isso, ninguém iria entender. Então, apenas corria. Silenciosamente. Sem parar. E era isso que lhe importava no momento. Ele corre. Limpa a saliva que escorria nos lábios. Aumenta a velocidade. Os cabelos começam a ficar úmidos. Corre. Resistir ao determinado antes que tudo se resuma em apenas cansaço. Rápido, cada vez mais rápido. Acreditar no oposto mesmo que o que resta seja tão escasso. Algum conhecido lhe acenou. Sobreviver. A paisagem passando cada vez mais depressa diante dos seus olhos fixos. Todos lhe abrem caminho. Tinha consciência de que não poderia derrotar a dor no momento presente, mas desejava pelo menos revidá-la, com um golpe, um ataque, qualquer suspiro, ao menos enfrenta-la. O coração bate acelerado. Enfrentava-a. Corre. Um ciclista tenta acompanhá-lo sem conseguir. Uma bola perdida raspa sua cabeça. Quase atropela um poodle com sua madame. Espantou um bando de pombos. Corre. A respiração ofegante. A garganta seca. A blusa encharcada de suor. O corpo exausto. Suas mãos doem. Mas não pára. Corre. Corre. Corre. Correndo para sobreviver. Sobreviver ao passado, aos erros, ao desastre, à dor. Desenterrar a força ocultada pelo áspero. Esquecer. Ir para longe. Bem longe. Longe de tudo. Correr para perto de si. Havia agora apenas ele contra ele mesmo. Sua revanche contra o que se impunha destino. Corria.... Mas de repente surgiu uma ladeira. Descia descontrolado. O coração disparou. Não tinha como parar. Estava veloz. Muito veloz. Velocíssimo. Mas não sentia medo. Nenhum medo. Sentia-se como há tempos não se sentia. Sentia-se livre. E quando uma pedra bateu contra a sua cadeira de rodas, lançando-o ao longe, rolou pela calçada à fora, até cair estirado no chão. Permaneceu assim por alguns instantes. Algumas pessoas se aproximaram para socorrê-lo. Outras só espiavam. Mas antes que alguém pudesse fazer algo, ele levantou a cabeça, olhou em volta, e riu, um riso estridente, ecoante, elástico, solto. Um riso de alegria. Perdoou-se.

  • 2420 visitas desde 4/07/2005
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br