A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Boneca de pano

(Fabiana Miraz)

Apagou a luz e subiu as escadas. Já em seu quarto, estendeu um acolchoado sobre o colchão e sentou-se na cama. Parou os olhos por um instante, suspirou retirando os óculos e os colocando sobre o criado mudo. Deitou-se e cobriu-se automaticamente com o velho acolchoado cor de vinho. Os olhos pareciam fechar-se por conta própria. Mas esqueceu-se de fechar a janela. Levantou-se deixando escorregar e cair o acolchoado sobre o chão gelado. Calçou os chinelos. Somente alguns passos dera, pois foi necessário interromper a lenta caminhada para olhar de volta para a cama. Em seu colchão, ressonando sobre o lençol amarelado, havia uma menina dormindo. O acolchoado sumira e em seu lugar um tapete de crochè cru acomodava uma boneca de pano. As cortinas, sisudas e de um claro amarelo, tingiu-se de vermelho e conforme olhava, surgiam nelas pequenos ursos pendurados em coloridos balões. Aproximando-se mais da cena, viu a cama de imbuia escura com cabeceira torneada. Os cabelos negros e encaracolados da menina estendidos sobre o travesseiro, seu vestido xadrez, marrom de golas brancas, meias brancas, joelhos rechonchudos, sapatos pretos de verniz. Num canto do quarto, uma bicicleta cor-de-rosa metálico e almofadas gigantes. A escada sumira e a porta estava entreaberta. A luz amarela que entrava pela fresta vinha de um corredor e dele vozes distantes. Esgueirou-se pela fresta da porta, atravessou-a, seguiu pelo corredor amarelado que desembocava numa cozinha anoitecida. Conseguia ver, escondendo-se na ponta do corredor, o perfil de um casal que tomava café em volta de uma mesa, pronunciando nomes esquecidos. Como estavam jovens! O cheiro do café que estavam bebendo chegou ao seu nariz, o açucareiro em cima da mesa a fez inclinar mais ainda seu corpo para frente, queria enxergar e gravar aquele cenário. O homem, descuidado de tantos zelos de silêncio, deixou cair uma colherinha prateada que tilintou e fez remexer a menina adormecida. Seus olhos estavam tão grudados que era quase impossível abri-los. Sentia frio, seu corpo congelava, parecia estar nua. Enfim, os olhos se estalaram. Era o despertador que chamava. O acolchoado havia caído no chão.

  • 3012 visitas desde 22/06/2006
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br