A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Um Contra Cinco

(Edgard Santos)

O homem entrou no bar e anunciou:

- Isto é um assalto.

Numa das poucas mesas ocupadas, um outro sujeito, acompanhado de mais dois, ergueu-se e disse:

- Não faria isso se fosse você, meu rapaz. Acho que gostaria de ver o sol nascer amanhã.

- É você quem vai impedir? - disse o assaltante, apontando a arma na direção do outro.

- Nós vamos impedi-lo. Antes que dê o segundo tiro será um homem morto. Quer experimentar?

- É melhor nem tentar, moço - disse, por trás do balcão, o dono do bar. - O homem é o diabo com uma arma. Pode mandá-lo para o inferno em menos de um segundo.

- Não pedi a sua opinião - disse o assaltante. Mas parece que mudara de ideia quanto ao assalto, embora crescesse em ódio contra o agressor.

- Ou você é cego ou é algum idiota que não te amor à vida. Ok; vou ser claro. Isto que vê em minha mão é uma pistola. Que, por sinal, está carregada. E, para sua informação, está engatilhada e prestes a cuspir fogo. E você será o primeiro a aprender que um homem armado e em vantagem deve ser respeitado.

- Então fique sabendo, seu patife, que está no meio de uma roleta russa. Atire em Steve Grant e terá ganhado a batalha. Mas acerte um outro que não seja ele e pode dar adeus à vida. O que escolhe? Todavia, há uma chance de sair ileso. Largue a arma e se entregue. O máximo que poderá acontecer é pegar cadeia por assalto a mão armada.

- Não pense que sou imbecil! - disse o assaltante. É claro que já sei qual de vocês é Steve Grant.

- Então por que não nos mata e cai fora com a grana; não é isso o que quer?

- Exatamente; mas a forma como isso vai ser feito sou eu quem decide. Passe a grana, baixinho. E não tente nenhum truque - disse, estendendo a mão em direção ao homem atrás do balcão, mas sem tirar os olhos dos outros três em volta da mesa. O que estava de pé permanecia na mesma posição.

- Sente-se! - disse o assaltante. O homem obedeceu. O baixinho então, abrindo a caixa registradora, tirou um bolo de notas.

- Não tente bancar o espertinho, Eu sei que tem mais, eu quero tudo que tem aí. - O homem pegou mais um bolo de notas e passou ao bandido.

- Tudo! Eu disse - vociferou estrondosamente. Outro punhado foi-lhe passado.

- Agora sim. Admiro pessoas inteligentes - disse, enfiando o último bolo de notas pelo pescoço para dentro da jaqueta.

- É muito corajoso, tenho que admitir - disse um dos homens da mesa. Aparentava idade um tanto avançada. Tinha barba e cabelos brancos e permanecia o tempo inteiro na mesma posição: de pernas cruzadas e agarrado a uma caneca de cerveja.

- Penetrar num recinto como este a esta hora da noite - continuou o barbudo -, é realmente um ato de grande bravura e atrevimento. Contudo, não garanto que saia vivo desta. Nossa cidade não tolera os malfeitores. Já está em má situação pelo crime de assalto. O xerife Thompson vai metê-lo na cadeia por isso. Atreva-se a matar um de nós e vai acabar pendurado em uma corda em praça pública.

- Cale essa boca, velhote! Ou lhe meto uma bala goela abaixo para nunca mais ser tão falador. Se pensam que entrei aqui, arriscando a pele, por causa de alguns centavos de dólares, estão enganados. Acho que não preciso ir mais longe. Já sabem a que eu me refiro.

Os quatro homens entreolharam-se nervosamente. Um deles, magro e de bigode, encarou o velhote de uma forma um tanto estranha, o que causou suspeita ao assaltante, que ordenou.

- Você, magrelo. Levante daí com as mãos na cabeça. E sem nenhum truque engraçadinho. - O homem exibiu uma arma na cintura ao ficar de pé. O assaltante então deu outra ordem, desta vez ao dono do bar.

- Saia daí de trás e vá até o magricela. - Ele obedeceu e, seguindo orientações e sob mira, tirou, com a mão esquerda, a arma do outro e lançou-a próximo aos pés do assaltante. Este se abaixou para pegá-la. Agora, empunhando dois revólveres, disse:

- Reviste-o, deve ter no bolso um molho de chaves.

- Não é preciso. Poupe o seu trabalho - disse o magricela, tirando do bolso as chaves e entregando-as ao baixinho.

- Ok, jogue-as. Estas caíram, também, a seus pés. Abaixou-se com muito cuidado, sem tirar deles os olhos, e meteu as chaves no bolso. Continuou ordenando.

- Agora desarme também os outros. Com muita cautela e sem truques. Não vou hesitar em atirar se preciso for. - mais três revólveres foram recolhidos.

- Traga-os para cá. Muito bem. Coloque-os em cima do balcão.

- O que pretende fazer agora? - disse o homem que primeiramente havia se levantado.

- Não é da sua conta. Ou melhor, acho que sim, Steve Grant. Ou prefere que lhe chame "O Caça ouro"?

- Então me conhece, seu bandido! Saiba que se meteu numa grande encrenca. Eu trataria de cair fora se fosse você. Ainda está em tempo de salvar sua pele.

- Não pedi sua opinião; se quer saber, estou bem a par da sua última missão. Por mais que tentasse manter sigilo, não conseguiu, não para mim; não para Rod Benson. Sei tudo a seu respeito. Que foi sua melhor conquista. Quinze quilos de ouro! Bem guardados no cofre da delegacia, de onde seguem esta madrugada para o Banco Central. Quer que dê mais detalhes?

- Não, é o suficiente. Já deu para ver o louco que é se está pensando em apoderar-se deste outro. E, sozinho, do jeito que estou vendo.

- Aí é que se engana, meu caro. Tenho alguém para fazer isso para mim.

- Por que está me olhando? - perguntou o dono do bar, ao lado de Rod, encostado ao balcão.

- Acho que gostaria de ver sua féria de volta - disse o assaltante. - Tem um bocado de dinheiro aqui, meu caro. Este é o seu melhor dia da semana, não é mesmo?

- Não dê ouvidos a ele, Larry.

- Cale a boca! - berrou Rod ao magricela que dissera esta frase. Saiba que vai participar também, pois é o único que conhece a combinação do cofre. - O magricela ficou pálido. Também Steve mostrou-se nervoso e preocupado, pois certificou-se de que Rod realmente planejara com detalhes todo o plano.

- Pode ficar com o dinheiro - disse Larry. Não vou ser conivente com um bandido. Além do mais, não quero problemas com a polícia.

- Então, você escolhe, idiota - disse Rod, encostando uma das armas em sua cabeça -, ou colabora ou vai para o inferno agora mesmo. - E prosseguiu, ante a cara espantada do outro.

- Onde tem uma corda?

- Deve ter uma atrás do balcão, numa das prateleiras.

- Muito bem. Pegue-a e amarre Steve Grant com o velhote costa com costa. Terminado o serviço, elogiou:

- Bom trabalho, estou satisfeito.

- Ainda hei de passar sobre o seu cadáver, seu desgraçado! - disse, cheio de ódio, o velhote, contorcendo-se inutilmente para se desvencilhar dos nós.

- Não adianta, imbecil. Quanto mais se mexer, mais preso irá ficar.

- Acalme-se, Kurt. Este patife não vai muito longe. Ninguém sai ileso após mexer com Steve Grant.

- Sirva-me um trago - disse Rod. Larry rodeou o balcão para o lado de dentro, pegou da prateleira uma garrafa de uísque, encheu um copo e despejou uma dose. O assaltante virou-a de uma só vez na garganta e olhou para o relógio no alto da parede. Do lado de fora a escuridão acentuada denunciava o avançado da hora. O relógio marcava dez e meia.

- Mais 30 minutos e teremos a visita rotineira do querido xerife desta cidade.

- Nem sempre vem à mesma hora. Às vezes fica até mais tarde na delegacia. Costuma trabalhar à máquina de escrever.

- Só em caso de ocorrências - falou o magricela, de uma cadeira próxima aos amarrados.

- E como foi o dia de hoje? - quis saber Rod. O outro nada respondeu. - Acho que entendeu muito bem minha pergunta, se não está surdo.

- Normal como nos outros dias - respondeu, finalmente.

- Isso significa que não houve ocorrência. É uma cidade mesmo pacata - concluiu Rod.

Aos poucos ia o silêncio tomando conta do ambiente. As batidas do grande relógio tornando-se mais dominantes e perceptíveis. Rod tomou outras doses do uísque a sua frente. Os dois amarrados tinham suas cabeças pendidas sobre o peito. Vencidos que estavam pelo cansaço e o tédio da posição. Larry procurou uma cadeira e acomodou-se, também. Uma quietude lúgubre e monótona pervagou no ambiente.

- Já deve estar chegando. Passe para aquele canto - ordenou Rod ao magricela. - E você, para trás do balcão - dirigindo-se a Larry. Foi até a janela e confirmou a aproximação do xerife. Colocou-se atrás da porta. Antes que esboçasse qualquer reação ao ver a cena, sentiu, o xerife, na nunca, o cano de uma arma.

- Muito bem. Erga as mãos e não tente ser esperto.

- Quem é você e o que quer?

- Isso não interessa agora. Quanto à segunda pergunta, já tem a resposta bem aqui na minha mão - disse, exibindo um molho de chaves que acabara de tirar do bolso de sua vítima.

- Vai pagar caro por isso, pilantra!

- Parece que já ouvi isto hoje, mas não tem problema. Sente-se! - E ordenou ao magro de bigode que juntasse e amarrasse em duas cadeiras, costa com costa, Larry e o xerife. Feito isso, apagou as luzes e saiu com o outro, sempre sob a mira do seu revólver, pelo canto mais escuro da rua em direção à delegacia.

- Abra! - disse, ao chegarem, entregando o molho de chaves.

- Não acenda a luz - disse, já do lado de dentro e tirando do bolso uma lanterna. Subiram uma escada em caracol e deram numa saleta minúscula com um sofá, uma mesa redonda com duas cadeiras e, em um dos cantos, ao lado de uma janela, um cofre grande sobre um tapete avermelhado.

- Abra esta coisa! - ordenou Rod

- E se não o fizer? - disse corajosamente o homem magro.

- Pode considerar-se um homem morto.

- E você pode considerar-se um ladrão fracassado, visto que vai morrer comigo o segredo.

- Devo admitir que tem razão. Aonde quer chegar?

- Muito simples. Eu dou a combinação e dividimos a grana.

- Ok. Faz sentido; então abra.

- Como vou saber que não irá me matar em seguida?

- É um risco que terá que correr, amigo. Vamos! Já estou ficando impaciente.

O homem magro girou a combinação e expôs aos olhos apatetados do outro, três sacos contendo ouro.

- Aí tem o que queria. Agora, o combinado.

- Combinamos alguma coisa? Eu não me lembro. E desferiu violenta coronhada no magricela que tombou sobre a mesa e depois no chão, desacordado.

Pegou os três sacos e enfiou em um maior que tirou do bolso do sobretudo. Desceu as escadas, abriu a porta e ganhou a rua, desaparecendo no breu da noite silenciosa.

  • 2168 visitas desde 13/07/2009
  • Publicado em: 13/07/2009
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br