A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Espera

(Ana Sampaio)

Não gostava de esperar, mas acabava ficando sempre pronta antes da hora.

Passou o batom, perfumou-se, escovou mais uma vez os cabelos.

Faltava ainda uma boa meia hora antes da hora combinada com ele.

Sentou-se, apanhou um livro, acendeu um cigarro. A espera a inquietava. Não gostava de esperar.

Esperara a vida inteira. "Esse homem tem ideia de há quanto tempo eu o espero chegar?", ela pensava, enquanto soprava pra cima a fumaça do cigarro.

E não falava de meia hora, de 15 minutos de um eventual atraso. Pela memória passaram os rostos dos outros homens, de todos os outros que tivera. Pensou em prazeres fugazes, na felicidade momentânea, na insegurança do depois.

Tinham sido sua escola, esses homens. Passara por eles para aprender o que precisava saber quando ele chegasse. Mas porque esperara com tanta convicção de que ele viria? Porque nunca duvidara? Porque a felicidade pressente-se. Sente-se na boca do estômago e no fundo do peito e da alma, a felicidade sabe-se.

Pensou nele, em seus olhos castanhos de cílios compridos, e em como o cheiro dele ficava grudado na pele dela, mesmo horas depois que se separavam.

Foi assim que teve certeza de que era ele, pela forma como ele impregnava-se nela e manchava todo seu corpo com suas cores e sua presença.

Pensou no beijo dos outros, beijos de fogo, com calor de paixão. O dele, não.

Descia por sua garganta com gosto de água fresca em dia quente. Refrescava e redimia, aquele beijo, e ela se sentia assim: todo dia limpa e batizada.

Saiu do devaneio quando o toque da campainha soou. Apagou o cigarro e correu pra fora. Não precisava mais esperar, era ele que chegava.

  • 3551 visitas desde 8/07/2005
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br