A Garganta da Serpente
Cine Cobra para ler e assistir
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Chico, Vinicius, Bossa

(Artur da Távola)

Três fatos de alta importância histórica para a música popular brasileira, coincidiram na segunda metade deste 2005. São dois filmes e documentários em DVD. Vamos lá: os filmes são "Coisa Mais Bonita", sobre a Bossa Nova, dirigido por Paulo Thiago (que agora já existe em DVD); o "Vinicius", dirigido por Miguel Faria Jr. E caixas de DVDs com farta documentação e vários capítulos de um documentário longa-metragem sobre o Chico Buarque, que em parte foi exibido pela Rede Bandeirantes e logo uma edição DVD foi para as lojas.

Não sou crítico de cinema nem me meto a tal. Meu julgamento é o de um espectador normal, mediano. São três excelentes documentos sobre um mesmo momento de ouro de nossa Música (a Bossa Nova) que se conclui com o seu instante seguinte, ou seja, a obra para mim (e todos os brasileiros) eterna e genial do Chico Buarque de Hollanda.

Além da saborosa feitura, estas três obras audiovisuais possuem outro condão: são registros históricos de valor para as novas e futuras gerações já intoxicadas de "rocks", "funks" etc., que com exceção de seu valor sociológico (que existe), do ponto de vista musical, com pequenas exceções, são lixo sonoro, quando não núcleos de alienação, delírios, desmedidas, além de insuportável redundância na instrumentação, nas caretas e nas harmonias paupérrimas.

Os dois filmes e os DVDs /documentários contam com a presença de um Chico Buarque solto, bonito, simpático, natural e inteligente, sendo que o filme "Coisa Mais Bonita", sobre a Bossa Nova, além de breves intervenções do mesmo Chico, muito ganhou com a narrativa primorosa em informação sensibilidade e naturalidade dos grandes Roberto Menescal e Carlos Lyra. Parecem (e são, de alma) dois irmãos a conversar. Já o filme "Vinicius", conta com uma gama variada de testemunhas diretas da vida, influência e amores dele. Além do talento, é óbvio.

Nas três obras que abordo a fartura de informações e a qualidade musical são impressionantes! É como se estivéssemos em um show de encantamentos. Beleza pura! O Brasil era feliz e sabíamos. Em suma: não sou propagandista de nada. Apenas testemunha dos tempos da bossa nova, autor de um livro sobre a mesma, e apaixonado pela música de meu País. Com exceção do "Vinicius" que por enquanto só existe em ótimo CD com a trilha sonora do filme, mas juntamente com ele, os DVDs do "Coisa mais Bonita" e os do Chico Buarque podem despreocupar os leitores e leitoras de buscarem, aflitos, maravilhosos presentes de Natal: qualquer um dos três arrebenta a boca do balão. Um grande momento deste nosso Brasil que termina o ano carente de auto-estima, alegria e exemplos de coerência, grandeza e amor ao País.

Vinicius
Direção: Miguel Faria Jr.
Duração: 124 minutos
Ano: 2005

  • 1804 visitas desde 17/03/2009


Quer outra dica de filme?

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br