A Garganta da Serpente
Cine Cobra para ler e assistir
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Cruz e Sousa - Cinepoema de Sylvio Back

(Mafabami)

É importante que conheçamos poetas quando ainda temos 16 anos.
Foi durante o curso de normalistas que nossa professora de Literatura apresentou-nos o simbolista catarinense João da Cruz e Sousa.
Por uma década talvez, ainda guardei aquela folhas de papel almaço onde a jovem mestra escrevera o número 10 como nota e uma inesquecível observação:
" não ouso criticar seu trabalho".Exagero? Claro,mestra Lúcia Baungarten! Convenhamos, não se escreve um elogio assim ao lado de uma nota 10 num trabalho tão modesto . Mas a senhora cometeu talvez uma das coisas mais importantes para a cabeça de uma adolescente.
Eu me encontrei, me abriguei naquele desespero que vertia em gotas, por toda a sinfônica obra daquele João da Cruz e Sousa.

Era ritmado, sideral, divino, sepulcral, belo e terrível!
E na minha mocidade era bom fugir com ele para um lugar sem limites.
A verdade é que a professora Lúcia não quis se envolver na comunhão, na minha cumplicidade com aquele louco poeta que me levava junto para o seu delírio.
Com Cruz e Sousa voávamos nos altiplanos de outras galáxias e logo no instante seguinte já estávamos enfrentando seres marinhos tenebrosos.
A morte se alternando com o espírito e este, sempre a supera-la.
Uma agonia a confrontar-se todo o tempo com a resistência.

É preciso conhecer Cruz e Sousa, mesmo quem já não tem 16 anos.
Estuda-lo talvez seja interessante. Não me interessa muito, saber a que movimento ou tendência literária o poeta pertenceu. Importante sim, observar o quanto foi desprezado por ser negro. O preconceito. Sempre o preconceito. Que vergonha do passado. Que vergonha, do presente.
Importante observar a atualidade de seus versos que incomodam!
Não falam claro mas são transparentes. Tudo dizem. Incomoda como tudo o que é elegante, erudito, e gentil quando podia/devia (?) ser áspero, atrasado e violento.
Nesta segunda feira, dia 19 de março completam-se 109 anos da morte do poeta.

Foi na semana passada, que pude ver o filme de Sylvio Back :
"CRUZ E SOUSA O POETA DO DESTERRO".
Quem produziu uma obra tal qual o catarinense Cruz e Sousa, é imortal.
Entretanto, apesar de sua universalidade, o poeta não é fácil de ser traduzido. Os outros idiomas são pobres para dizer os versos do simbolista brasileiro. Quem sabe Teilhard de Chardin, Antoine de Saint- Exupéry ... o primeiro pela ânsia da transpessoalidade, o desejo de ascender em rota de convergência e o segundo pela capacidade de pilotar, embrenhar-se nas alturas e fazer com que príncipes conversassem com raposas...
Sylvio Back fez a mágica. Back fez a arte .O filme está longe de ser o tipo comercial, é sim para estar em destaque nas universidades de qualquer país ou, onde se ensine/aprenda arte.
O cineasta blumenauense foi grande tradutor reinventando na imagética forma, o que era verso. O filme sobre Cruz e Sousa é por certo O GRANDE POEMA DE SYLVIO BACK.
É preciso conhecer-se o verso aos 16, e ver várias vezes o filme, após os 18. A paixão geralmente é na adolescência.
É da experiência entretanto, que se extrai a fruição, com o coração alado.
Quem sabe em outro dia eu conte alguma das leituras que fiz da fita. Obra que Sylvio Back conseguiu tão bem cinepoetisar o que antes era arte literária. A música em apurado tratamento foi trabalhada pela maestrina Silvia Beraldo, referência respeitável. A atriz Maria Ceiça faz Gavita a esposa do poeta. O filme inclui na equipe atores como Léa Garcia, Danielle Ornelas e Guilherme Weber, dentre outros.
Garanto que o Cisne negro de algum lugar onde está, sorriu de felicidade, quando "viu" o filme, conforme sorria o ator Kadu Carneiro nas cenas finais. E, em muitos cantos do mundo os milhões de confrades do "Pacto de Almas" disseram, dizem e dirão:

"Ah! para sempre! para sempre! Agora
não nos separaremos nem um dia...
Nunca mais, nunca mais, nesta harmonia
das nossas almas de divina aurora".
(...)
Cá nesta humana e trágica miséria,
Nesses surdos abismos assassinos
Teremos de colher de atros destinos
A flor apodrecida e deletérea


O baixo mundo que troveja e brama
Só nos mostra a caveira e só a lama,
Ah! só a lama e movimentos lassos...


Mas as almas irmãs almas perfeitas,
Hão de trocar, nas Regiões eleitas,
Largos, profundos, imortais abraços!"

(do livro ÚLTIMOS SONETOS - Cruz e Sousa)

Cruz e Sousa: o poeta do desterro
Direção: Sylvio Back
Duração: 86 minutos
Ano: 1999

  • 2521 visitas desde 20/02/2009


Quer outra dica de filme?

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br